Archive for the ‘contos’ Category

h1

Presente de aniversário Gringo

novembro 21, 2011

Gente phyna é quem vai de férias para Europa, né não?

Eu tenho uma amiga que  decidiu não fazer diferente. A linda não só tirou umas férias e foi para Europa, como foi passar seu aniversário em terras holandesas, na sempre divertida Amsterdam.

Entre passeios, museus, bikes e coffeshops a amiga estava na vida que pediu para Deus.

No dia do seu aniversário rolou space cake com velinhas! Ela começou a noite ali mesmo no bar do hostel com os novos amigos de algumas partes do mundo. Mesmo com seu low budget a amiga queria comemorar a noite toda linda tomando todos os drinks do bar hostel.

Não pensou duas vezes em contar para o Barman que era seu anivesário… Assim ficava mais fácil barganhar por drinks.

Com seu sorriso brasileiro nem precisou né, a amiga comecou a faturar drinks sequenciais, fazendo goles em loopings animados em meio a todos aqueles gringos.

Percebeu que o barman estava sendo muito mais do que simpático com ela, e papo vai papo vem, a amiga ja sem saber sua própria nacionalidade foi parar no banheiro coletivo do Hostel no maior dos amassos com o barman gringo. Isso mesmo minha gente, lá no banheiro COLETIVO!!!!!!!

Sobe e desce mão a amiga trabalhou gostoso como se fosse a última vez… não poderia ser diferente bem no dia de seu aniversário, afinal não e todos os dias que se passa o aniversário na Europa não é mesmo?

No final Happy B-Day ele disse, que fofo.

A amiga saiu toda  feliz e contente do hostel  para fumar seu cigarrinho pelas ruas do Red Light District. Próxima parada:  um coffe-shop diferenciado e assim consecutivamente durante toda noite.

P.S. tem outra amiga que passou por situação bem similiar, mas essa história fica pra outro post.

Anúncios
h1

Na cama, no banho, na banheira…

setembro 12, 2011

Eu tenho uma amiga que vive intensamente seus dias e tenta aproveitar ao máximo todos os momentos.

Num final de semana que seus pais viajaram ela nâo pensou duas vezes em curtir os confortos do apartamento familiar e convidou seu gatinho para jantar no lar. Aproveitou pra mostrar o quanto é prendada e fez um jantar ótimo regado a muito vinho.

No dia seguinte só sobrou a ressaca claro e a preguica imensa de fazer qualquer coisa. Nesse momento eis que surge sua grande idéia de tomar um banho romântico de banheira.

Motel em casa? Foi esse o “feeling”.

Sabonete vai, sabonete vem, o casal todo feliz na banheira, quando num momento totalmente inesperado a porta se abre… tam tam tam…

Ninguém mais nem menos que o Pai da garota surpreende o pombinhos alegres na banheira.

Imagina o mais flagra da vida?

Poisé, esse foi o maior flagra da vida da minha amiga, que ficou por 1 mês sem conseguir olhar na cara de seus pais.

h1

The Grandfather

setembro 9, 2010

Eu tenho uma amiga que tem um avô muito fofo, mas além disso o bicho é sábio e irônico, uma de suas melhores qualidades.

E daí que em um almoço de familia se reuniram em uma mesma mesa a amiga, uma tia (que é nora de seu avô) e o avô. Num certo momento a tia comecou com aquele papo que as moças de hoje se entregam fácil demais para os homens, que assim eles não as valorizam, que elas tem que ser dificeis etc… AQUELE velho papo. Aí a tia pergunta:

– O senhor não concorda comigo?!

e o avô

– Não. Não Concordo! Minha filha, do alto dos meus 80 anos eu vi muito amigo meu se apaixonar e casar até com puta! Como vc me explica isso? Essas regras de bom comportamento pra arrumar homem é pura bobagem, CASAMENTO E MORTALHA NO CÉU SE TALHA! E tenho dito!

Só podemos dizer uma coisa também: ARRASOU.

h1

Invejinha… Viviane Mosé

março 23, 2010

Gente, as amigas estão todas com as respectivas vidas de ponta cabeça. É época de fechamento de revistas, primeiras provas em faculdade e vocês, caros leitores, não têm colaborado como de costume com suas historinhas (fazendo a CAPSLOCKA, manipulando a situação e revertendo a culpa… hahahhaa).

Sendo assim, a gente poderia tá roubando, absduzindo e até mesmo postando RECEITA DE BOLO, mas, como (pode nao parecer) presamos a boa literatura, Viviane Mosé pra vocês, que é, simplesmente, FODA:

Prosa Patética

Nunca fui de ter inveja, mas de uns tempos pra cá tenho tido.
As mãos dadas dos amantes têm me tirado o sono.
Ontem, desejei com toda força ser a moça do supermercado.
Aquela que fala do namorado com tanta ternura.
Mesmo das brigas ando tendo inveja.
Meu vizinho gritando com a mulher, na casa cheia de crianças,
sempre querendo, querendo.
Me disseram que solidão é sina e é pra sempre.
Confesso que gosto do espaço que é ser sozinho.
Essa extensão, largura, páramo, planura, planície, região.
No entanto, a soma das horas acorda sempre a lembrança
do hálito quente do outro. A voz, o viço.
Hoje andei como louca, quis gritar com a solidão,
expulsar de mim essa Nossa senhora ciumenta.
Madona sedenta de versos. Mas tive medo.
Medo de que ao sair levasse a imensidão onde me deito.
Ausência de espelhos que dissolve a falta, a fraqueza, a preguiça.
E me faz vento, pedra, desembocadura, abotoadura e silêncio.
Tive medo de perder o estado de verso e vácuo,
onde tudo é grave e único. E me mantive quieta e muda.
E mais do que nunca tive inveja.
Invejei quem tem vida reta, quem não é poeta
nem pensa essas coisas. Quem simplesmente ama e é amado.
E lê jornal domingo. Come pudim de leite e doce de abóbora.
A mulher que engravida porque gosta de criança.
Pra mim tudo encerra a gravidade prolixa das palavras: madrugada, mãe, ônibus, olhos, desabrocham em camadas de sentido,
e ressoam como gongos ou sinos de igreja em meus ouvidos.
Escorro entre palavras, como quem navega um barco sem remo.
Um fluxo de líquidos. Um côncavo silêncio.
Clarice diz, que sua função é cuidar do mundo.
E eu, que não sou Clarice nem nada, fui mal forjada,
não tenho bons modos nem berço.
Que escrevo num tempo onde tudo já foi falado, cantado, escrito.

O que o silêncio pode me dizer que já não tenha sido dito?
Eu, cuja única função é lavar palavra suja,
nesse fim de século sem certeza?
Eu quero que a solidão me esqueça.

h1

Afinal, somos mulheres?

março 8, 2010

A grande piada do carnaval para as amigas… e as amigas das amigas… foi que, de acordo com a mentalidade masculina de nossos amigos, fomos DEFINIDAS como MeninEs… sim, não é nem menina nem menino…

Sendo assim, menines que somos, resolvemos listar aqui algumas frases clássicas nossas que explicitam ainda mais nossa condição:

** “velho, vc pode me perguntar a escalação inteira da selação, mas não me pede pra eu te falar marca de perfume” – dito por uma amiga menine

** “Anos de festas e eu nunca tinha visto uma maquina de lavar virar isopor de cerveja…..  house party rules!” – a festa foi na casa de uma amiga menine

** “Da próxima vez, quem fecha caipirinha na máquina de lavar?” – escrito por uma amiga menine em resposta à frase anterior

** “A possibilidade de eu pegar alguém e não saber o nome é bem grande” – dito por uma amiga menine

** “sei não o que é essa banda toca, moço. eu sou alcóolica, vim aqui pra beber” – dito por uma menine na balada, ao ser xavecada

** “amiga, a gente NAO VAI EMBORA. só vou lá fora pegar uma cachaça pq o bar daqui já fechou” – dito por uma menine às 6h da manhã, na balada

… até o infinito!

AMIGAS!!!! Continuem completando!

h1

Motivo de quê?

janeiro 22, 2010

Eu tenho uma amiga… Quer dizer, o meu amigo tem uma amiga que protagonizou uma cena engraçadíssima, que ele vive contando pra todo mundo. Acho digno compartilhar com vocês.

Era uma vez uma amiga toda nervosinha que trabalhava no atendimento de uma empresa. Um belo dia, o pessoal de T.I. da empresa fez alguma cagada muito grande que prejudicou o setor da amiga. A moça não pensou duas vezes: dirigiu-se à sala do povo de T.I. e chegou armando o maior barraco, gritando com o cidadão responsável:

– Escuta, quer dizer que vocês fazem as merdas por aqui e depois sobra pra gente? Assim não dá! Vocês fazem cagada e eu é que viro motivo de XOXOTA!

De repente, todos os técnicos de T.I. que estavam quietinhos em suas mesas congelaram, tiraram seus fones de ouvido e começaram a prestar atenção na conversa. O chefe do departamento olhou bem pra cara da louca e perguntou:

– Fulana, vira motivo de quê?

E a louca continuava gritando, cheia de razão, apontando o dedo pra si mesma:

– De XOXOTA! Eu viro motivo de XOXOTA!

Após uma gargalhada geral, a bonita voltou para o seu canto puta da vida, sem entender ainda a asneira que tinha falado. A chefe da bonita perguntou a ela o que estava acontecendo e ela repetiu a história toda, usando novamente o mesmo termo infeliz.

– Motivo de quê, fulana?

– Motivo de XOXOTAAAAAAAA!

– É chacota, criatura, MOTIVO DE CHACOTA!

Depois dessa, é óbvio que a coitada virou motivou de xoxota mesmo. De xoxota, de chacota, de qualquer coisa.

h1

Help, I need somebody, Help!

maio 14, 2009

Hey boys n girls!

O Eu tenho uma amiga parece que passará a ser, além deste humilde blog, uma coluna quinzenal do Mundo Mundano.

nhe

Sendo assim, pra dar um start na parada, precisamos escolher 8 causos aqui publicados pra mandar pro povo de lá… E é aí que vocês, queridos, entram… Ajudem-nos a escolher os tais 8 contos?

Sabecomoé, né? Um monte de mulher juntas tendo que decidir objetivamente algumas coisas levam um  certo tempo.

Tks, people!!!!!

bjo-nos-ajude

%d blogueiros gostam disto: